Quem você vai convidar para entrar na sua empresa?

Quem você vai convidar para entrar na sua empresa?

Quando falamos sobre Cultura Organizacional, o que vem à sua cabeça? Para alguns é bem provável que venha o contraste de imagens de escritórios descontraídos versus mais tradicionais, pessoas vestidas de bermuda versus de terno e gravata... Já outros simplesmente ignoram esse tema, já que o consideram uma bobagem e dizem ter mais com o que se preocupar. São raros os casos de empresas que realmente levam Cultura a sério. Mas isso tende a mudar.

Cultura = Pessoas = Negócio

O que a maior parte das pessoas esquece é que a cultura dentro das empresas – também conhecida como Cultura Organizacional – é formada essencialmente por pessoas, aquelas que estão todos os dias ao seu lado fazendo as coisas acontecerem. Ela é um conjunto de crenças, atitudes, valores e comportamentos compartilhados por um grupo de profissionais que trabalham juntos, definindo a personalidade de um negócio. Agora, se você trabalha em uma corporação ou é dono de uma empresa e continua achando que o tema cultura é uma bobagem, tenha certeza, você não entende de pessoas. E se você não entende de pessoas, você também não entende de negócios – como diz Simon Sinek nesta apresentação

A formação (e transformação) da cultura da sua empresa começa com a contratação das pessoas. É ali que você tem o poder de decidir quem você trará para dentro da sua empresa para tomar decisões, interagir com outros colaboradores, dar exemplos e falar em nome do seu negócio. Estamos acostumados a ler CVs e avaliar se alguém tem as competências técnicas necessárias para um cargo, já que essa é uma análise objetiva: ou tem ou não tem. Mas como avaliar potencial? E compatibilidade cultural? Essas são questões subjetivas e difíceis de avaliar em entrevistas. O que acaba acontecendo é que só conhecemos realmente as pessoas depois de começar a trabalhar com elas, e muitas vezes acabamos nos vendo naquele famoso ditado: contratamos pela competência técnica e demitimos pela comportamental! Você não está sozinho nessa... sair da subjetividade não é fácil, mas também não é impossível.

Conhecer mais sobre os seus candidatos é essencial

Invista tempo fazendo checagem de referências, peça para os seus pares e equipe participem das entrevistas (e esteja aberto para ouvir todos os feedbacks), peça para os candidatos trazerem exemplos de situações vividas de verdade, entenda se o que você pode oferecer como empresa está alinhado ao seu momento de vida etc. Essas são dicas valiosas. Agora, se você está achando que isso esta tomando muito do seu tempo e que isso é papel do RH, esteja preparado para mais uma vez errar na sua próxima contratação! A pessoa mais interessada em construir uma equipe que tenha uma entrega excelente, que esteja trabalhando feliz e que seja um exemplo para os outros deve ser você!

Quando falamos de cultura, falamos de resultado

Alguém que só trabalha para ganhar seu salário no fim do mês vai entregar, mas não vai se superar e dar aquele “extra mile” importante para atingir metas mais ousadas e levar a sua empresa a um outro patamar! Pessoas engajadas, felizes, que sabem que estão construindo algo junto com o resto do time, não trabalham só pelo salário. Muitas delas têm até ofertas financeiramente melhores em outros lugares, mas não é isso que as fazem trocar de empresa. Elas estão se sentindo todos os dias atraídas pela sua empresa e querem continuar lá por algo muito maior. O trabalho que fazem as motiva, o ambiente é o que elas acreditam ser o melhor pra elas naquele momento de vida, e o alinhamento de propósito faz que elas se sintam parte da empresa! Elas estão juntas construindo a sua cultura organizacional!

Esse alinhamento de cultura entre empresa e candidatos é o que chamamos de Fit Cultural. Saber qual a cultura do seu negócio e quem são as pessoas que mais vão combinar com ele é o que vai garantir com que sua empresa do amanhã seja aquela que você quer! Tudo começa na "porta de entrada" da sua empresa: para quem você vai abrir a porta e quem você vai convidar para entrar?

--

Isabella Botelho é co-fundadora da Pin People.

Mobile Analytics