A ciência do fit: fazendo a procura por colaboradores realmente funcionar para você

A ciência do fit: fazendo a procura por colaboradores realmente funcionar para você

Texto retirado e adaptado de: Bersin - Making the Job Search Work for You - The Science of Fit.

A procura por um colaborador é como a procura em um relacionamento amoroso: você é alguém procurando pelo melhor parceiro(a) disponível e o candidato também está jogando o mesmo jogo, só que ao contrário.

Tenho viajado pelo país nas últimas semanas me encontrando com muitos líderes de RH e em todos os lugares que vou escuto deles a mesma coisa: existem muitas pessoas procurando emprego e, mesmo assim, estamos tendo muitas dificuldades em encontrar os candidatos certos.

Chamo isso de "paradoxo do mercado de trabalho atual". Mesmo num mundo de grande desemprego, a combinação entre empregadores e candidatos está pior que nunca.

Então como você, como empregador, lida com esse grande jogo de match?

Bem, existem muitas ferramentas e estratégias para considerar aqui – mas me deixe discutir uma que parece estar perdida em muitas organizações: a ciência do fit.

Há alguns anos conduzimos uma pesquisa em companhias de varejo, entretenimento, farmacêuticas e de serviços financeiros para entender precisamente como eles encontraram seus melhores candidatos. Os resultados foram ao mesmo tempo profundos e fáceis de entender:

Você deve entender o que impulsiona o sucesso na sua empresa

Você sabe o que impulsiona o sucesso num determinado cargo? Essa não é uma pergunta fácil de se responder e muitos não dedicam tempo o suficiente para pensar a respeito. Uma forma de se fazer isso é através do que chamamos de “Análise dos players A”. Você simplesmente analisa um grupo de high performers em um determinado cargo e descobre o que eles têm que os favorecem.

Você não necessariamente tem que ser um psicólogo para fazer isso. Vá conversar com pessoas no cargo, bata um papo com seus gestores e olhe para seus backgrounds. Você pode contratar uma consultoria se quiser – mas no fundo você, como um empregador, precisa entender o que gera sucesso. Bons gestores frequentemente sabem, mas muitas vezes eles não sentaram e pensaram a respeito ainda.

O que você descobre é que players A têm muitas características únicas. Elas podem envolver atributos como inteligência, rapidez no aprendizado, amabilidade, liderança, orientação para qualidade ou até mesmo idade. Você vai também perceber que eles têm um forte alinhamento com a sua cultura organizacional (e a análise de Big Data pode fazer isso se tornar ainda mais científico).

A cultura cumpre um papel fundamental

Uma segunda coisa que achamos nessa pesquisa é que encontrar ótimas pessoas é uma questão de se criar um túnel de candidatos, e não um funil. Em outras palavras, não recrute uma rede ampla, recrute uma rede bem estreita e focada de candidatos.

Qual a missão da sua organização? Qual a cultura do seu ambiente de trabalho? Que tipo de pessoas você gostaria de atrair?

Você deve primeiramente levar a sério esse entendimento e, então, focar sua marca empregadora em encontrar pessoas que combinem com sua cultura.

A IKEA, por exemplo, só quer contratar pessoas que vivem por seus valores: ecologia, minimalismo e orientadas para o design e qualidade. Ela contrata milhares de pessoas por ano – mesmo assim ela filtra essas características pessoais antes de aceitar um currículo. (...)

 

Existem muitos ótimos livros e ferramentas que podem ajudar a entrevistar, procurar e avaliar pessoas. Mas ultimamente esse jogo de combinação é o do fit. Não é mais questão de encontrar o melhor candidato, mas de encontrar o candidato certo para você.

Se você seguir esses princípios você fará o jogo do match funcionar a seu favor.

Mobile Analytics