Economia baseada em talentos e a segunda geração de softwares para RH

Economia baseada em talentos e a segunda geração de softwares para RH

Artigo de Tarun Kalra, retirado e adaptado de HR 2.0 is the poster child for the next wave of SaaS innovation, Techcrunch.com.

Indícios da mudança

De acordo com o Bureau of Labor Statistics (BLS), os trabalhos em manufatura nos EUA atingiram seu pico no verão 1977, com 19,5 milhões de postos. Desde então foram gradualmente diminuído ao longo dos 23 anos seguintes. Medido pelo declínio no emprego industrial, a transição em larga escala de uma economia centrada em bens a uma economia centrada em informação ou economia de talentos ocorreu, na última década, com empregos na indústria caindo abaixo de 12 milhões em 2009 e permanecendo mais ou menos nestes níveis até hoje.

Sublinhando essa mudança, o custo de talento por unidade de produção econômica quase triplicou, de acordo com a Trading Economics. Isso significa que a economia americana evoluiu efetivamente para uma economia da informação, onde o talento substituiu produtos como o fator determinante mais significativo e importante.

O papel dos Softwares as a Service de primeira e segunda geração no RH

A última geração de plataformas de software de RH baseadas em SaaS (Sotfware as a Service) foi toda fundada antes do início da economia de talentos. Elas foram em grande parte os produtos que fizeram parte de uma economia de transição, em que o talento era apenas um pedaço da equação.

Os SaaS de RH de primeira geração, ou 1.0, moveram tarefas off-line para on-line, automatizaram processos e asseguraram conformidades. Com a transição para uma economia centrada em talentos, porém, o mercado mudou e se preocupa agora com dimensões além de foco em gestão e processo. Ele deseja uma nova geração de plataformas que alinhem objetivos de negócio com o talento ao invés de alinhar os objetivos de negócio com processo.

Alguns exemplos ajudam a destacar a mudança. A geração 1.0 facilita a apresentação da candidatura on-line, o acompanhamento de progresso e a conservação de registos; a geração 2.0 facilita a localização, atração e contratação dos melhores candidatos. A 1.0 facilita avaliações de desempenho e medições da empresa com boa usabilidade e de forma estruturada; a 2.0 foca no crescimento, na colaboração e no alinhamento de objetivos através de mecanismos de análise e feedback. A 1.0 permite aos usuários consultar registros e informar sobre KPIs; a 2.0 permite aos usuários direcionar a tomada de decisões com base em resultados anteriores e, ao longo do tempo, promete alavancar a ciência de dados e técnicas de aprendizagem profundas para recomendar e até mesmo automatizar a tomada de decisão.

Mobile Analytics